Tradutor

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

Cadastre-se e receba em seu email as postagens

Pesquisar este blog

Seguidores

Welcome ao Pequinês Curitibano.

Histórias de uma Matilha Urbana. Participe!

Facebook

Quem sou eu

Total de visualizações de página

Top Blog

Pequinês Social Club

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Carnaval no Parcão



O carnaval está intrínseco a alma do Brasileiro. Quando você menos espera aparece uma roda de samba.
Eu sou do carnaval, ou melhor somos...


Vossa Majestade Ramon.



Vossa Majestade Dodi
 Olha a festa no Parcão.












segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Uma semana após a castração


Uma semana após a castração Ramon está ótimo. Continua esperto e brincalhão, apesar de estar mais quieto em casa sem os latidos da madrugada.
Continua paquerador e com um gosto peculiar, adora uma cadela grande.
Esta foi sua ultima paquera.






Estou pensando seriamente em castrar o Dodi . Meus preconceitos caíram em relação à castração.

Hoje pela manhã, conversando com uma senhora soube que seu velho cão está com alergia devido ao estresse. Sua veterinária acha que é pelo fato dele não ter cruzado nos seus 7 anos de vida e não ser castrado. E por azar a cadela de sua vizinha ( sem trocadilhos rsrs) está no cio e foi justamente nesta época que apareceu a alergia. Coitado!

Agora me pergunto: Será justo manter um cachorro sem castrar em um apartamento mesmo sabendo que no máximo ele cruzará uma ou duas vezes?

Pequinês Social Club



Cada dia que passa aumenta o grupo dos pequineses de Curitiba. Neste final de semana conhecemos o Bebê. È um pequinês perfeito, todo dentro do padrão da Raça.
Infelizmente o Cãozinho sofreu um ataque de um cachorro maior e teve que fazer uma reconstituição em sua mandíbula. Mas sinceramente ficou praticamente imperceptível graças ao cuidado de sua responsável familia.

 Estamos combinando com os donos de pequineses que conhecemos para que façamos um encontro mensal, sempre no primeiro sábado do mês, às 10h da manhã no parcão.



Além o Bebê também conheci mais três belas pequinesas de um senhor morador da Praça Ozório.








quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

O castigo veio dos céus.


Lá estava eu 8h30min da manhã com a cachorrada na Praça. Confesso que estava com um mau humor daqueles devido às coisas que teria de resolver à tarde no trabalho.

Do outro lado da Praça aparece a funcionária Pública da Justiça Federal aposentada com seu maltês neurótico que odeia meus pequineses.

Pensei:
- Será que comprimento? Não estou a fim de papo hoje, ainda mais com funcionária Pública da Justiça Federal aposentada.

Educado que sou levantei minha mão acenando para a Dupla neurótica.

Deus me castigou devido aos meus pensamentos! Pois dos céus chegou uma vespa em alta velocidade tendo como seu alvo...


A minha Mão...
Levei uma P. de uma ferroada. Doeu muito, mais muito mesmo.

A funcionária Pública da Justiça Federal aposentada junto com seu maltês neurótico vieram até mim para me ajudar.

Para aumentar o meu castigo descobri que ela é uma pessoa muito bacana e solicita.

Poderia ter sido pior, a vespa poderia ter mordido minha língua.



Votando para casa com muita dor encontrei o vizinho que falou a seguinte frase:

-Como você teve coragem de castrar o Ramon?

Com muita confiança expliquei todas as razões que me levaram a tomar esta decisão.
Que graças a Deus “até agora” não me arrependi nem um pouco.

Mas olhando nos olhos do defensor anti castração dos pequineses do centro de Curitiba percebi que não o convenci com minha argumentação. Seu olhar eloqüente gritava:

-Seu mutilador de filhotes de pequinês.

Estava, apesar de convencido dos meus motivos, sem graça.

Mas ele resolveu mudar de assunto e largou à seguinte pérola:

- Acabei de achar um veterinário que vai reduzir a voz do meu York Shire.
Talvez eu devesse ter escrito a frase anterior em caixa alta.

De pronto perguntei:
- Como assim reduzir a voz do cachorro?

O defensor anti castração dos pequineses do centro de Curitiba respondeu:

-Cortar as cordas vocais dele!!!!

Bummmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm! O ferrão da vespa me transformou eu um super herói. Virei o defensor dos York Shire latidores com cordas vocais do Centro de Curitiba.

Ele, com muita confiança, explicou todas as razões que o levariam a tomar esta decisão.

Mas mesmo assim ele não me convenceu e eu o chamei de .... "O mutilador de York Shire!"

E deu certo, eu acho. Ele falou que não vai cortar as cordas vocais do pequeno cão!

Ou eu o convenci do contrário.. Ou ele mentiu para mim.

Vale à pena lembrar, que segundo a bíblia, “Quem mente vai para o inferno!”

Por isso eu , uma vez por mês, confesso com um bom padre.
Obs.: As fotos são ilustrativas, sou mais bonito que o  heroi ai no alto rsrs!

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Primeiro dia após a castração


Ramon chegou da clínica ainda um pouco dopado por causa da anestesia. Quando cheguei em casa a única coisa que ele queria era colo.
Passou o final do dia quieto, aparentemente sem dor.
Por recomendação da veterinária dei pouca comida para que não tivesse o risco de vomitar.

Hoje, portanto um dia após, acordou alegre e comeu bem. Acho que ele está um pouco mais quieto, mas ainda late quando ouve barulho no corredor.
È lógico que as suas ações não mudarão do dia para noite. Mas parece mais calmo.

Quando sai com eles pela manhã encontrei uma vizinha que tem um cachorro terrível, late como ele só. Ela comentou que havia castrado o seu lhasa apso e a mudança foi incrivelmente positiva, melhorando a relação de ambos.

Vamos ver o que acontece.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Você sabe o que é um cão Braquicefálico?



CÃES COM CARINHAS ESPECIAIS
A maioria das pessoas não está familiar com o termo “Braquicefálico”, mas se você tem um Bulldog Francês, Pug, Boston Terrier, Pequinês, Boxer, Bulldog, Shih Tzu ou qualquer outra raça com a cara “amassada”, você deve se tornar familiar com essa palavra. A palavra vem de origens gregas, “braqui” significando curto, e “cefálico” significando cabeça.
Cães braquicefálicos foram criados para possuirem um maxilar inferior normal, ou seja, que seja proporcional ao seu tamanho corporal, e um maxilar superior recuado. Ao produzir essa aparência cosmética, esses animais foram comprometidos de diversas maneiras importantes, e você, como um dono, precisa estar familiarizado com as necessidades especiais de seu pet.

O SISTEMA RESPIRATÓRIO
Raças braquicefálicas são caracterizadas pela síndrome respiratória braquicefálica, que afeta as diferentes áreas do trato respiratório. Felizmente, a maior parte dos cães não sofre de todos os aspectos da síndrome, mas você deve ficar ciente sobre qual desses aspectos seu pet pode possuir.

ESTENOSE DAS NARINAS
Esse é um nome chique para narinas estreitas. Os cães braquicefálicos começam tendo uma abertura nasal muito pequena para respirar. Se for um caso grave, correção cirúrgica é possível.

PALATO MOLE ALONGADO
É difícil caber os tecidos moles da boca e garganta canina na cara curta dos cães braquicefálicos. Como resultado, o palato mole (que separa a passagem nasal da cavidade oral) fica pendurado solto até a garganta, criando sons de ronco.
Virtualmente, todos os cães braquicefálicos sofrem desse problema. Porém, exceto em Bulldogs (inclusive os Buldogues Franceses), problemas respiratórios são raros. Latir em excesso ou ofegar podem causar inchaço da garganta, que, por sua vez, pode causar problemas.

HIPOPLASIA TRAQUEAL
A traquéia do cão braquicefálico pode ser perigosamente estreita em alguns pontos. Essa condição resulta em um risco anestesico tremendo, e deve ser descartada por radiografias peitorais antes de qualquer procedimento cirúrgico.


ESTRESSE POR CALOR
Por causa de todas essas obstruções respiratórias superiores, o cão braquicefálico é um ofegante ineficiente. Outras raças caninas, com caras e gargantas mais convencionais conseguem passar ar rapidamente pela língua ao ofegarem. A saliva evapora da língua enquanto o ar passa, e o sangue que circula através da língua é esfriado eficientemente e circulado para o resto do corpo.
No cão braquicefálico, tanto trabalho extra é necessário a fim de mover a mesma quantidade de ar, que as vias respiratórias se tornam inflamadas e inchadas. Isso leva a uma obstrução mais severa, crises e a mais sobreaquecimento.
Cães Braquicefálicos são os principais candidatos a sofrerem "ataques de calor". Como um todo, as vias respiratórias superiors de um cão braquicefálico compromete sua habilidade de inspirar ar. Em condições normais, isso não é tão grave a ponto de causar um problema; no entanto, um dono deve tomar cuidado a fim de não deixar o cão ficar muito acima do peso ou com muito calor nos meses e climas mais quentes. Fique atento a que grau de ronco é normal para seu cão, e caso seu pet precise de anestesia ou sedativo, seu veterinário pode precisar tomar precauções extras ou tirar radiografias antes de lidar com a gravidade da síndrome. O risco anestésico é maior do que o normal nessas raças. Na maioria das vezes essas precauções extras necessárias são administradas prontamente pela maioria dos hospitais de animais.

PROBLEMAS OCULARES
Com a maior parte dos ossos nasais compactados, os cães braquicefálicos tendem a ter problemas com o modo em que seus olhos estão localizados.
Observando os olhos prominentes desses cães, notamos que a órbita ocular é muito "rasa". Isso significa que qualquer batida na parte de trás da cabeça pode fazer com que um dos olhos saia de sua órbita e precise de recolocação cirúrgica. Isso também pode acontecer com muitos puxões da guia se o cãozinho estiver usando uma coleira. Por esta razão, uma coleira peitoral para seu pet pode ser interessante.
Às vezes, os olhos são tão prominentes que as pálpebras não conseguem fechar completamente por cima dos olhos. Isso pode causar irritação e os centros dos olhos podem ficar secos se correção cirúrgica não for feita. Se você não conseguir perceber isso quando seu cão pisca, observe quando ele dormir. Cães que sempre dormem sem fechar os olhos inteiramente podem precisar de correção cirurgica. Consulte seu Médico Veterinário.
Problemas de pálpebras são comuns nessas raças. Procure por umidade persistente em volta dos olhos. Em alguns cães, o formato das pálpebras prejudica o escoamento de lágrimas, que podem acumular. Esse problema não pode ser corrigido cirurgicamente e não é inconfortável para o pet. No entanto, existe um problema mais sério que parece com esse. Esse segundo problema é quando as pálpebras "enrolam para dentro" de modo que as pálpebras esfregam nos olhos, podendo provocar ulcerações. Esse problema pode precisar de cirurgia.
Irritação crônica aparece em forma de uma área pigmentada na superfície do olho, especialmente no lado perto do focinho. É difícil de ver sem uma luz forte, mas se for notado, deve-se procurar a causa. Dependendo do local da pigmentação, cirurgia pode ser recomendada.

OUTRAS PREOCUPAÇÕES
Os cães em geral tem 42 dentes em suas bocas. O cão braquicefálico também tem 42 dentes, mas muito menos espaço para eles ficarem. Isso significa que os dentes vão ficar bem mais juntos e tendem a crescer em ângulos diferentes, que, por sua vez, prende restos de comida e pode causar doenças periodontais bem mais cedo do que em outras raças não braquicefálicas. Quanto mais cedo você começar a usar produtos dentarios em seu cão, mais tempo você terá evitando possíveis cirurgias dentárias. Leia também sobre os benefícios de uma alimentação natural BARF para seu cão. Veja dentes branquíssimos e pets saudáveis.
Infecções das dobras da pele são comuns nas dobrinhas das faces dos cães de raças braquicefálicas. Não esqueça de examinar essas áreas periodicamente e procurar por vermelhidões. As largas cabeças dessas raças tornam a reprodução complicada, e por isso, cesárea é frequentemente utilizada. Trabalho de parto difícil é comum e assistência cirurgica é frequentemente necessária. É importante não reproduzir fêmeas com hipoplasia traqueal. Aliás, é importante não reproduzir cães com doenças genéticas (hereditárias). Portanto, é melhor deixar a criação para os experts.
Resumindo, as raças braquicefálicas são irresistíveis, com suas carinhas amassadas e expressões inconfundíveis, mas por causa de suas necessidades especiais, aqueles que possuem cães dessa raça devem se informar sobre o assunto. Se tiver alguma pergunta ou dúvida sobre seu cão braquicefálico, por favor, não hesite em entrar em contato com seu Médico Veterinário.


Ramon foi castrado hoje.



Hoje foi um dia daqueles. Foi o dia da castração do Ramon.
Entrou na clínica as 9 da manhã e saiu as 17 h. E foi bem neste intervalo de tempo que descobri que a traquéia do cão braquicefálico pode ser perigosamente estreita em alguns pontos. Essa condição resulta em um risco anestésico tremendo, e deve ser descartada por radiografias peitorais antes de qualquer procedimento cirúrgico.
Obs.: Entrei em pânico em silêncio.
Percebi nestes momentos o quanto eu gosto desta praguinha chamada Ramon.
Quando eu voltei para casa da academia pela manhã ninguém latiu quando eu cheguei.
Quando estava fazendo minha salada de fruta que levo para o trabalho ele não estava com aquela cara de “quero desesperadamente mamão” aos meus pés.
Não tinha pedras brancas do vaso pelo chão.
Concluo que o Ramon dá um certo tempero a minha vida. Mas é um tempero como pimenta, não pode passar do ponto. Por isso castrei.

Portando castrei o Ramon pelos seguintes motivos:

Apesar de eu achá-lo o cachorro mais simpático do mundo, por ele ser prognata sai do padrão recomendado da raça. Portanto não serve para ser padreador.

Ao contrário do Dodi ele é muito territorialista. Cada pessoa que chega ao corredor é um escândalo de tanto latido. E não quero dar motivos para receber multa da sindica.

Estes dias o meu amigo Gustavo chegou à minha casa e ele não parou de latir, cheguei a achar que ele poderia morder.Demorei para fazê-lo ficar quieto. Situação que jamais aconteceu com o Lorde Dodi.

E logo ele entraria na fase da ebulição dos hormônios e pelo que ele apresenta de sua personalidade seria difícil controlá-lo.

Sem falar da futura disputa pela liderança com o Dodi.

Então depois de muitas conversas com a veterinária decidi que seria a hora certa de castrá-lo.  

Agora ele já esta em casa meio tonto, mas super bem.

Vídeo mais recente dos pequineses. Tomara que Ramon preserve a sua alegria.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Comedouros e Bebedouros


Comedouros e Bebedouros

A maioria das pessoas compra vasilhas para água e comida do pet da mesma forma com que escolhe caminhas, coleiras e outros acessórios: pela aparência, cores, marca. Mas você sabia que um inocente comedouro de plástico pode levar seu cão ou gato a desenvolver intoxicações e alergias? Apesar de pouco orientada por veterinários, a escolha das vasilhas merece atenção. Mas com tanta variedade no mercado, como saber os riscos e vantagens de cada material? Confira abaixo as nossas dicas.

Plástico

Preço e beleza são o forte das tigelas de plástico, mas elas definitivamente não são uma boa opção. Estudos mostram que o plástico tende a se dissolver na presença de água e outros líquidos, o que resulta em ingestão contínua de petroquímicos. Além disso, filhotes freqüentemente roem e engolem pedaços do comedouro plástico e podem sofrer sérias obstruções e perfurações gastrointestinais. A desinfecção do comedouro ou bebedouro de plástico é particularmente complicada. Se aquecido no microondas ou lavado com água fervente - duas formas comuns de se matar bactérias – o recipiente plástico libera o BPA (Bisfenol A) um composto orgânico associado ao diabetes, câncer de mama, baixa contagem espermática e doenças crônicas. Leia esse artigo científico para saber mais – isso vale também para os humanos!
Microorganismos adoram se infiltrar nas ranhuras do fundo da tigela de plástico. Com o contato regular do animal com essas bactérias, podem aparecer falhas no pêlo e dermatites na região do focinho e da boca. Os gatos pode desenvolver um tipo de acne, caracterizada pela presença de pontinhos pretos ou purulentos no queixo. Por essas e outras, fuja dos comedouros e bebedouros de plástico!

Alumínio

Tigelas de alumínio são bonitas, costumam ser baratas e são mais fáceis de limpar do que as de plástico. Mas são igualmente destrutíveis e liberam uma certa quantidade de alumínio na ração ou água, o que pode causar algum malefício para a saúde do pet a longo prazo. Se tiver marcas de mordidas ou estiver desgastada a vasilha rapidamente vira esconderijo de bactérias e precisará ser trocada.

Cerâmica

Vasilhas de cerâmica são boas opções. Mantêm a água fresquinha e não são atraentes para filhotes e adultos mordedores. Se optar por uma vasilha de cerâmica não polida lembre-se de desinfetá-la diariamente para evitar proliferação bacteriana nos poros. Despeje água fervente e lave bem com detergente, ou aqueça a vasilha no microondas por uns três minutos para matar os microorganismos. Cerâmicas polidas e pintadas não oferecem cantinhos para as bactérias se esconderem e são bem fáceis de higienizar. Por outro lado, o chumbo presente na tinta ou verniz pode causar intoxicação. Para saber mais sobre os efeitos prejudiciais do chumbo e como evitá-los, leia essa matéria.

Inox (ou aço inoxidável)

Essa é uma das melhores opções. Vasilhas de inox são bonitas, super duráveis, resistem a mordidas e são bastante fáceis de lavar e desinfetar. O fato de não terem poros dificulta a vida das bactérias e evita problemas de pele e contaminações. Para desinfetar e deixá-la brilhando, não precisa mais do que água quente e detergente. O único inconveniente é o preço, que não costuma ser dos mais baixos…

Vidro

Vasilhas de vidro, juntamente com as de aço inoxidável, estão entre as mais higiênicas. Não têm poros, são elegantes e de fácil desinfecção (utilize o microondas, água quente e detergente). Pode ser mais barata que a de inox, mas requer algum tipo de suporte ou base antiderrapante para evitar que se quebre durante as refeições. É uma opção interessante para gatos. O chato é que tigelas de vidro especialmente para pets podem ser meio difíceis de encontrar.

Outras dicas

Alguns cães têm o hábito de comer encerando o chão com a vasilha. Para evitar isso – e essa dica vale para qualquer tipo de comedouro – sempre utilize vasilhas de tamanho confortavelmente proporcional ao diâmetro da boca aberta do seu pet e prefira os recipientes mais pesados ou com antiderrapantes.
Alguém já viu vasilhas de cães sendo flambadas? A dica é da criadora de Bulldogs Franceses, Camilli Chamone, do canil Ville Chamonix e pode ser utilizada para esterilizar recipientes de cerâmica, alumínio, vidro ou inox.

Fonte: Cachorro verde
Fomar mais prática para limpar as vasilhas.

Fotos Parcão






sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Dodi a procura de namorada Curitibana


Dodi é um pequinês com pedigree de 1 ano e 6 meses, vermelho,  5 quilos e 450 gramas dentição e mordedura perfeita.
Sua pelagem totalmente dentro do padrão.
Seu temperamento é extremamente calmo e carinhoso.
Praticamente não late.


Está à procura de pequinesa curitibana que esteja dentro do padrão,de preferência com pedigree, para futuro compromisso.



quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Ramon com alergia de verão

Cães raça pequinês sofrem muito com alergia de pele no verão. O Dodi quase não tem problemas, já o Ramon tem sofrido bastante. Pelo que li e a veterinária falou no verão é comum estes problemas alérgicos. Ambos passam sempre os remédios contra pulgas, mas em parques sempre aparece uma para morder e, espero morrer em seguida. Gerando a lesão que se transforma em alergia. A situação ficou complicada para Ramon, tanto que hoje passou por um banho terapêutico no pet para ver se melhora.
Este vídeo é de um momento corriqueiro do Ramon com seu brinquedo predileto. "O Frango".

Vídeo oficial do Dodi e Ramon no SBT

Vídeo oficial do Dodi e Ramon no SBT

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Fotos do Final de Semana


Parcão













Festa da Uva em Santa Felicidade




Aviário

Cama nova do Dodi


Ou será a cama nova do Ramon
A disputa foi lançada.
Obs.: Tem mais uma cama vermelha  que foi ignorada por ambos.