Tradutor

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

Cadastre-se e receba em seu email as postagens

Pesquisar este blog

Seguidores

Welcome ao Pequinês Curitibano.

Histórias de uma Matilha Urbana. Participe!

Facebook

Quem sou eu

Total de visualizações de página

Top Blog

Pequinês Social Club

terça-feira, 26 de abril de 2011

COMO APERTAR A GLANDULAS ANAL(SACO ANAL)

Tirei esta postagem do Blog http://tosabebe.blogspot.com
Estou me informando a respeito, nunca fiz nos meus pekes.
Gostaria que você postasse seu comentário a respeito.

COMO APERTAR A GLANDULAS ANAL(SACO ANAL)


A glândula anal é responsável por muitos casos de dor, portanto, seu cuidado é imprescindível. Os cães que são alimentados com dieta rica em carne são os mais suscetíveis a inflamação da glândula anal e sofrem com este incômodo arrastando-se com o ânus no chão ou ainda tentando morder a cauda pois não conseguem tocar a região da glândula. A falta de cuidado com esta glândula pode ocosionar um acréscimo de odor no animal. É imperativo que animais com problemas de inflamação de glândula sejam alimentados exclusivamente com ração, que seja feito rotineiramente o esvaziamento do saco anal, preferencialmente antes do banho.  

COMO APERTAR GRANDULAS ANAL(SACO ANAL)


1.Levante o rabinho!
2. Procure as glândulas anais, localizadas à 4 e 8 horas (exemplo de relógio)
3. Aperte embaixo e prossiga afinando até a parte de cima.

Obs: Recomendo usar papel higiênico pois o líquido pode sair de maneira não ordenada. Procure realizar este procedimento sempre antes do banho, devido ao odor não agradável.

Pessoal, para iniciantes este procedimento é dificil, assistam ao vídeo abaixo !

segunda-feira, 25 de abril de 2011

"Tá ligado?"


Já escrevi em outra postagem que o Ramon come cocô, mas esta situação ultimamente tem sido rara. Pra ser sincero nem me incomoda mais.Um cocozinho ali, outro aqui, deve fazer parte das iguarias de seu paladar requintado.

Mas veja só a situação que a iguaria me proporcionou.

Chego à praça em um daqueles dias corridos para o relaxante passeio sanitário. Solto os dois no gramado, e lá vai o Ramon direto em um cocozão desconhecido.

Desconhecido já é demais... “perai”!!!                                

Se o cocô for dele ou do Dodi vai lá, pois sei que os dois só comem ração Super Premium e os patês de carne de primeira que eu mesmo faço. Viu como estou tolerante!!

Mesmo assim adverti:
- NÃO RAMOM. ESTE NÃO PODE!!!! Dei uma sacudida nele e o passeio continua.

Percebo que em um banco estava a ecológica Ervazia. Ela é uma cachorreira alternativa dona de um beagle estranhamente tranquilo.

Não sou de reparar em maquiagem de mulher, é um universo que não entendo, mas a da Ervazia me intriga. Seus olhos já vermelhos naturalmente são evidenciados por uma cor negra borrada que parece que nunca sai dali, parecem serem retocados sobre o que restou do dia anterior.

Pela manhã a vejo sempre com um cigarro de filtro vermelho, deve ser para acordar os olhos de ressaca. Já à noite o cigarro é verde, deve ser para adormecer os olhos vermelhos e cansados de ressaca.

Mas “vualá”. Definitivamente não tenho nada a ver com a vida da Ervazia.

Então voltemos ao Ramon e seu cocô exótico.

Depois que chamei a atenção do coprófago, continuamos nosso passeio. Até que ele avistou mais um objeto do desejo e foi correndo em sua direção.

-NÃO RAMOM. ESTE NÃO PODE!!!!

Quero deixar claro que ele havia comido antes de sair de casa para o passeio, e comido muito bem.

Pela 3ª vez continuamos o passeio. Os pequineses correram, brincaram tudo nos conformes.

Até que quando voltava passei novamente pela Ervazia. Só que Ramon estava para o crime foi mais rápido que eu e pumbaaa... Comeu a merda alheia com gosto de vitória sobre seu dono.

Admito que fiquei puto com o Ramon.

Dei um baita de um grito:
- NÃO RAMOM. ESTE NÃO PODE!!!!
Dei uma baita de uma sacudida:
-NÃO RAMOM. ESTE NÃO PODE!!!!

Até que  Ervazia, a mulher de mão, pele, cabelo (exceto maquiagem) verde, que parece ter pego o túnel do tempo do Festival de Woodstock e caido direto na Rui Barbosa, materializou-se  em carne, osso, odor e voz ,dizendo:

- Seu cachorro  está comendo cocô porque é estressado. Você deve ser mais calmo com ele e explicar que isto não pode...
Imagine o dialogo com o Ramon:
Au au au au au au
Até pedi para o Dodi dar uns toques pra ele.

Gente! Faz 8 meses que eu tenho este papo diário com o Ramon (sem os latidos), mas ele não entende.
Fiz de conta que não era comigo deixei a mulher samambaia falando e fui saindo.

Neste momento ela trocou de cigarro, acho que para um vermelho que acorda. E voltou a falar:

-Caaara! Tenho observado que você não conversa com seus pets. “ Tá ligado” que é por isso que eles estão comendo o cocô. Você tem que  trocar uma idéia com eles.

Bom!! Daí eu tive que parar. Engolir a raiva.  Pensei, mantenha a calma com a filha do hulk e conte até 10.
Um;
Dois;
Três;
Quatro;
Cinco;
Seis;
Sete;
Oito;
Nove;
Dez;
Acho que não esta dando certo.
Onze;
Doze!
Desisti e larguei "na lata" perguntando:

-Seus pais não conversaram  com você?

Ela me olhou com um ar de interrogação.

Continuei:

-Você não come cocô, mas toda noite fuma merda de cavalo pensando que é sei lá o que.
- Bom, talvez você nem pense mais por causa do cheiro de merda de cavalo que você fuma por engano.

-Será que é culpa dos seus pais? 
-Pois surda acho que  você não é.
- Mas sei lá, “ tá ligado”... Fica susse!




quarta-feira, 20 de abril de 2011

Lincoln e a Tolerância.


Mais uma vez nosso personagem central da Praça Rui Barbosa passa por apuros.
Lincoln tem sua carga horária cheia,  mas como pai cuidadoso aproveita o intervalo do almoço para passear com suas cockers.


Em um meio dia destes de outono lá estava a matilha pela Praça. Havia uma tenda exótica ao ambiente da Rui Barbosa, era um grupo de pessoas vendendo uma rifa.

Lincoln passa com a matilha pela tenda, uma das cocker, curiosa que é, cheira um senhor. Para surpresa de todos o senhor começa a chutar o animal incessantemente. Parecia que o senhor neste momento liberava toda a raiva de sua existência. 

O silêncio pairou por alguns segundos, ninguém conseguia entender o que acontecia neste momento cruel.
Lincoln leva um susto e sai em defesa de seu animal.
- O Senhor está louco? Por que chuta meu cachorro?

Esta cruel pessoa, com os olhos cheios de ódio, responde:
- Odeio cachorro me cheirando, comigo cachorro é no chute.

E continua:
- Posso ser louco, mas o senhor é um vagabundo, ao invés de trabalhar fica passeando com cachorro. Vá arranjar o que fazer!!

Lincoln:
- Vagabundo eu!!!!! O senhor bata na boca antes de falar isto. Trabalho em duas escolas, tenho os três turnos ocupados e o único momento que tenho para mim saio com meus cachorros.
- Mais ocupado que o senhor, que passa o dia vendendo rifa na praça.

Neste momento as fás do Lincoln se aproximam. Todas as senhoras cachorreiras da praça.

A aglomeração de pessoas cada vez maior.
Gente gritando..

Cachorro latindo...


Criança chorando...

Até que chega a Policia Municipal.

E para surpresa da aglomeração ela; a policial municipal,dona da praça;  defende o senhor e joga mais lenha na fogueira.
- Eu tolero o senhor andando com seus cachorros na Praça todos os dias. O senhor não tem o direito de reclamar que seu animal foi chutado.

Neste momento achei que haveria um linchamento na praça do senhor chutador de cachorro e da Policial Municipal.

Lincoln:
-A senhora tolera eu e meus cachorros?
Enfurecido, continua:
-Então a partir de agora pare de tolerar. Ou melhor, tanto faz se a Senhora tolera ou não.
Para ser sincero prefiro que me prenda ou me multe!


 Todos olharam para a Policial.

Ela ficou sem graça e resolveu se ocupar dispersando a aglomeração.


Policial Municipal só pode tolerar...

Mais calmo Lincoln comenta aos amigos:

-A Guarda que  tolere sem incomodar, pois a função deles é cuidar do patrimônio municipal.
Que tal cuidar dos bêbados que incomodam as pessoas na praça ou os flanelinhas que coagem as pessoas a pagar pela vaga que já foi paga pelo EstaR, ou pior, os pequenos assaltantes atrás dos trocados para comprar crack.

- Talvez devo ser perdoado pela minha ignorância, por não saber o que é cuidar do patrimônio público municipal, mas acho nem eles ( os policiais)  saibam o que  abrange isto...

Daí- me Tolerância.

Obs.: Antes que me processem: História baseada em fatos reais.

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Domingo na Chácara


Nossa vida semanal tem sido corrida. Aproveitei o final de semana para curtir o Domingo na chácara.
Foi ótimo! A cachorrada passou o dia correndo por todos os cantos.






















Chegamos em casa as 19h. Caíram no sono e só acordaram no outro dia às 6h.
Totalmente sem estresse.


sexta-feira, 15 de abril de 2011