Tradutor

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

Cadastre-se e receba em seu email as postagens

Pesquisar este blog

Seguidores

Welcome ao Pequinês Curitibano.

Histórias de uma Matilha Urbana. Participe!

Facebook

Quem sou eu

Total de visualizações de página

Top Blog

Pequinês Social Club

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Sete passos para fugir do frio



Vale a pena levar meu pet para tomar a vacina contra a gripe? E como ficam os banhos, tosas e passeios ao ar livre durante o inverno?

Com as temperaturas diminuindo, os donos ficam cheios de dúvidas sobre como deixar os pets protegidos nos próximos meses. Para ajudar, o caderno Animal fez uma lista com os principais cuidados nesta época do ano para que seu pet continue com a saúde em dia. Confira:
Vacina, cobertores e muito cuidado
Uma coleção com várias roupinhas, um cobertor bem reforçado na casinha e outro no sofá e até pijamas para a hora de dormir. Para a secretária Sirley Aparecida da Silva, vale tudo para o yorkshire Bruce, de um ano e meio, não sentir frio durante o inverno. E os cuidados, segundo ela, não param aí. “Sempre dou banho com o banheiro bem fechado e não abro mão de secar bem os pelos, para que não fiquem úmidos, e não abro mão que ele tome a vacina contra a gripe. Ano passado, ele foi imunizado e não tivemos problema, então agora vou repetir a dose e garantir que ele passe o inverno bem tranquilo.”

1. Não abra mão das vacinas

O inverno é a época de maior incidência da gripe canina, então vale a pena procurar uma clínica veterinária de confiança e fazer a aplicação da vacina para prevenir a doença. Ela é aplicada em uma única dose, custa entre
R$ 50 e R$ 60, protege o animal por um ano e não causa efeitos colaterais. A maioria dos cães pode tomá-la – as únicas ressalvas são filhotes antes dos 4 meses e pets que estão com algum problema de saúde, tomando medicação controlada ou têm sintomas de gripe, como tosse, diminuição do apetite, secreção nasal, espirros repetidos e mudanças de comporta­mento. Outras doenças recorrentes no inverno são a cinomose (entre os cães) e a gripe felina. Ambas podem ser evitadas se os pets estiverem com o calendário de vacinação em dia.

2. Capriche nas roupinhas e cobertores, mas não exagere
Cachorrinhos de pelo curto sentem mais frio que os demais, por estarem menos protegidos. Compre roupinhas e deixe um cobertor na casinha. Mas tome cuidado para não exagerar. Raças de pelo longo ou acostumadas com clima frio, como o golden retriever e o husky siberiano, não precisam de roupinhas e os cobertores podem ser bem menos reforçados, senão, o perigo é deixá-los desconfortáveis, sentindo calor em pleno inverno. Em todos os casos, prefira roupinhas de algodão – outros materiais aumentam as chances de o pet desenvolver alergias – e evite cobertores de lã. Como os gatos não são muito fãs de roupinhas, o melhor é não insistir e deixar alguns cobertores à disposição pela casa.

3. Fique atento aos banhos
Os banhos podem ser dados na mesma frequência do restante do ano, mas prefira água morna e não use água quente – a pele dos pets é sensível e isso pode causar queimaduras. Também capriche na secagem. Os pelos e os ouvidos não podem ficar úmidos, o que leva ao acúmulo de fungos e causa doenças, como infecções e irritações na pele.

4. Não abra mão das tosas
Não é preciso deixar de fazer tosas nesta época, mas elas podem ser feitas de maneira mais espaçada. O ideal é que não se retire muito do comprimento dos pelos e sejam cortados somente os excessos.
5. Cuidado redobrado com idosos e filhotes
Como eles são mais suscetíveis a doenças, evite passeios fora de casa – principalmente em locais que tenham outros animais –, certifique-se de que o pet está comendo correta­­­mente e, em caso de dúvida, peça para o médico veterinário fazer um check-up para garantir que a saúde está em dia.

6. Não exagere na alimentação
Durante o inverno, os pets – principalmente os cães – precisam de mais gorduras e proteínas para deixar o funcionamento do organismo em dia, mas a variação é tão pequena que isso não é desculpa para colocar mais ração no potinho ou oferecer mais petiscos. Logo, não mude a dieta do animal e ofereça as mesmas quantidades de comida do restante do ano.

7. Escolha bem os horários de passeio
Evite levar o pet para passear nas primeiras horas da manhã ou no fim da noite. O melhor é sair entre as 11 horas e as 15 horas, quando as temperaturas estão mais amenas. Se não tiver disponibilidade nesse horário, não tem problema: proteja bem seu pet e não abra mão dos passeios. Para eles, é mais danoso ficar sem a caminhada diária que enfrentar um pouco de vento frio.
Fontes: médicas veterinárias Denise de Oliveira, dermatóloga do Hospital Veterinário Clinivet; Luara Peruzzo, da Clínica Veterinária Petclin; Yolanda Eisenbach, especialista em patologia clínica do Hospital Veterinário Prontovet.
 http://www.gazetadopovo.com.br/animal/conteudo.phtml?tl=1&id=1142939&tit=Sete-passos-para-fugir-do-frio

Um comentário:

  1. Para que o Saymon e a Laika ficam bem nesse inverno optei em comprar blusinhas, dei a vacina da gripe( gostei muito dessa vacina, valeu a pena )e nos dias de frio intenso coloco um cobertor dentro das caminhas...
    Todo cuidado é pouco afinal nossos pequeneses tem fucinho curto um motivo a mais para se preocupar com a segurança deles.

    Abraços Áurea

    ResponderExcluir