Tradutor

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

Cadastre-se e receba em seu email as postagens

Pesquisar este blog

Seguidores

Welcome ao Pequinês Curitibano.

Histórias de uma Matilha Urbana. Participe!

Facebook

Quem sou eu

Total de visualizações de página

Top Blog

Pequinês Social Club

sábado, 12 de março de 2011

O Dono dos 3 Cocker da Rui Barbosa


No  dia 29 de março de 1693, quando em nosso “marco zero”, a Igreja da Matriz,  se fez a Vila da Nossa Senhora da Luz dos Pinhais e Bom Jesus dos Pinhais. Desde então a energia do Centro já  se mostrou  vibrante. Curioso saber que na década de 50 o bairro era chamado de Curitiba, como se ao redor existissem apenas chácaras, sítios ou lugares inabitados.

Esta região possui cerca de 330 hectares, uma população que está em torno de 35 mil pessoas, com a faixa estaria de 35 anos.

Esta região se diferencia da maioria dos centros das capitais. Pois temos segurança, temos limpeza e belos lugares para frequentarmos. E apesar dos dias de semanas barulhentos temos os finais de semanas silenciosos e tranquilos.

Neste contexto se insere a Praça Rui Barbosa. 

O título de praça veio apenas em 1913, inicialmente como Praça da República e posteriormente, nos anos 20, como Praça Rui Barbosa. Ela era muito mais uma área destinada à instalação de circos e parques de diversão do que uma praça em si, destinada a passeios ou como alternativa de simples lazer.

A vocação de praça, no sentido literal da palavra, veio nos anos 50, quando o então prefeito Ney Braga fez um belo trabalho de revitalização. Nesta época foram construídos belos e espaçosos edifícios ao redor que foram ocupados pela burguesia da época.

Já nos  anos 90, adaptando-a definitivamente ao modelo de um terminal. Hoje, daquela época, há apenas um busto em homenagem ao professor Alfredo Parodi, datado de 20 de outubro de 1951.


Mas devido a agitação e mutabilidade a Praça, desenvolveu a sua marca registrada, a sua personalidade bipolar.

De um lado o corre-corre das pessoas que chegam de todos os lugares para chegarem ao trabalho, e do outro o dia a dia dos remanescentes da burguesia antiga que ainda a habitam.

Neste habitat peculiar nasceu  Lincoln... o jovem rapaz Lincoln, dono dos 3 cocker pretos.

Lincoln tem a bipolaridade da Rui Barbosa.

Agitado, informado, mutante, carismático, observador e debochado como a Rui atual.
E também, como não poderia deixar de ser,  o lado burguês antigo. Pois fala Frances, toca piano, aprecia a ópera da vizinha as 3 da manhã, sabe de quem é o azulejo sem graça da igreja da Pampulha.

E ele é bom, pois dá comida, roupa e remédios para os moradores de rua.  Cuida do cachorro deles com anti pulga e ração.

Também adota cachorros da praça e batiza com nomes Sírio-libaneses.A ultima é a Haifa que ele quer achar um lar para ela.

Sem sombra de dúvidas ele é “o cara” da Praça.

Todos gostam do Lincon, todos esperam o Lincoln. Das crianças as senhoras que vêem a vida passar na Rui.

Mas, como diria Nelson Rodrigues, toda a unanimidade é burra.

Lincoln possui uma inimiga.

Palmira uma senhora que possui um pincher gigante e cuida de uns 12 cachorros abandonado em uma kitinet.


Ela odeia Lincoln.
Acusa o jovem rapaz de abandonar um se seus Cocker pretos no Passeio Público mesmo vendo que Lincoln está com os seus 3 cachorros a seu lado.

Acusa o pobre Lincoln de ter denunciado seu sobrinho para a polícia por venda de CD pirata.

Será paixão?

Não! Definitivamente não é paixão, pois em um grito de desabafo e de intimidação ela informa orgulhosamente para todos os cantos da Rui Barbosa:

-Eu tenho um amante Policial Municipal de Astorga que vai encher sua boca de Bala!!!


Nós, público e frequentadores da Rui, esperemos que as balas sejam de hortelã.

Lincoln ouviu os gritos acusatórios do delírio de Palmira e...calou-se... com a classe de um burguês acostumado com o barulho da feira e continuou sua caminhada.

Palmira parou de gritar, pois viu um outro cachorro abandonado e saiu correndo pensando em seu grande amor de Astorga.

E assim, como a Praça Rui Barbosa,  viveram felizes para sempre.

Bom, pelo menos eu acho!!!!


5 comentários:

  1. Achei deveras interessante a pesquisa histórica sobre os primórdios da Praça Rui Barbosa, ou seja , do coração central da cidade.
    Enche-me de alegria encontrar um relato inteligente, divertido e lúdico. Fui lendo e não pude conter meus risos perante a abordagem realizada do cotidiano bipolar da Praça e de seus frequentadores .
    Félicitations Maurice,
    Lincon Mueller de Leão

    ResponderExcluir
  2. Oi Mauriciooo...aushahsu, que legal, olha a dona Palmira tá bem mal informada né, pois até onde eu sei, o Lincon da história tem dois Cokers, e não três, o terceiro é de uma irmã, pelo menos foi oq eu ouvi ele dizer uma vez, ou algo assim, não tenho certeza...kkkk,
    Quero ver oq vc vai dizer do casal maluco que está com 8 piquenêses em uma kitnet...aushuahs
    bjs

    ResponderExcluir
  3. É verdade. Quero tirar foto dos filhotes e escrever uma bela crônica.

    ResponderExcluir
  4. aeee...
    temos que combinar a visita aos filhotes....

    ResponderExcluir
  5. hahahahahahahahahaha
    amei!!!!!!!!!!!!!!!
    =D

    ResponderExcluir