Tradutor

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

Cadastre-se e receba em seu email as postagens

Pesquisar este blog

Seguidores

Welcome ao Pequinês Curitibano.

Histórias de uma Matilha Urbana. Participe!

Facebook

Quem sou eu

Total de visualizações de página

Top Blog

Pequinês Social Club

sexta-feira, 18 de março de 2011

A privacidade do cachorreiro


Esta semana escrevi um texto que deverá se juntar a uma matéria da Gazeta do Povo, falando sobre Cães da Moda, para o Caderno Animal, devendo sair no dia 2 de abril.

Pelas perguntas que a Rafaela, jornalista da Gazeta, me enviou fiz uma retrospectiva sobre a minha vida com os dois pequineses.

Notei que muita coisa mudou para melhor, principalmente o lado social. Conheci pessoas super interessantes que somaram-se à minha vida.

São poucos os momentos que temos como a tranquila e relaxante hora do cachorro. Podemos estar vestidos com a pior roupa, suados da academia, irritados por causa do trabalho, seja lá que maneira for... ele  estará  lá ... Com o rabo sempre abanando.


Este acolhimento diário se deve a alta sensibilidade dos cachorros, esta já comprovada pela ciência. Eles conseguem interpretar nossas expressões faciais, sabendo o momento exato de aproximar-se ou de sumir de nossa frente. Pena que as pessoas do meu trabalho não são assim.

O lado "social cão" estende este momento prazeroso. Observe como é bom ter amigo cachorreiro?

Os assuntos, na maioria das vezes, acabam sendo leves, ninguém quer sabe do estresse dos assuntos do trabalho ou das brigas conjugais ou sei lá mais do que. É, exclusivamente,  o momento para saber as ultimas do cachorro, “ só do cachorro” .

O engraçado que muitas vezes sabemos o nome do cachorro, mas não temos a menor idéia do nome do dono. Notei nestes dias quando uma mulher perguntou:

- Você tem visto a Dona Tereza?

- Hummmmmmmm...
 Puxei todos os meus arquivos mentais e nada de quem era a dita cuja Dona Tereza. Mas ela deu uma pista:

- A dona do Boby!

Na hora lembrei quem era a Dona Tereza. Falo com ela praticamente todos os dias pela manhã. Sei de tudo a respeito do Boby, mas dela "absolutamente nada"!

Parece um código. Um campo de força anti estresse da vida pessoal, social, profissional e outros "AL" que não lembro. Como se o momento do cachorro se bastasse por ele só.

Mas é claro que com muitas pessoas há uma afinidade além da canina. Deixando bem claro para os  meus amigos da praça.

Pensando em tudo isto cheguei a pensar em desistir de mandar o texto, achando que era muita exposição da minha, ou da nossa, privacidade


Todo este momento "homem/cachorro" é muito diferente do que somos no restante dos nossos dias. Será que demonstrar um lado que não seja o sisudo, o forte, o seguro, pode ser perigoso nesta selva de pedra pela luta da sobrevivência?  (Credo que frase chavão e cafona...Mas real!)
 Voltando a problemática existencial:
Ainda mais no Jornal de maior circulação e credibilidade do Estado.

Mas será que isto é mostrar-se vulnerável?
Dilma e Nego.
Lula e Michele.
Vladimir Putin e Koni

Bill Clinton é recebido pelo ex-presidente George Bush e pela sua cachorra Millie.

O ex-presidente George W. Bush e seu cachorro Barney.

O presidente dos Estados Unidos Barack Obama passeia acompanhado de sua família e de seu cachorro Bo

Bom, se eu não aparecer no Cardeno Animal  é porque achei vulnerável!!!!


8 comentários:

  1. Otima percepção da importância da relação homem cachorro que vai além de homem / cachorro para homem / cachorro / homem quando o aspecto é sociabilização . Continuo sempre fã deste clã familiar! Ah parabéns pelo texto que vai ser publicado na gazeta, espero ansiosamente para lê-lo !!!!

    ResponderExcluir
  2. Deve ser também o motivo pelo qual você tirou a foto do perfil.

    Se preocupe nesse aspecto com seu lado cidadão: o que se responsabiliza pelo seu cão.
    O bem que ele te faz: socialização, caminhada, interação.
    O bem que você faz a ele: alimentação, vacinação, segurança, higiene, carinho.

    O apropriado é qualificar as ações e não as pessoas.

    Ah...eu particularmente gosto dessa "vulnerabilidade", me faz pensar que ainda tem gente de verdade nesse mundo, onde a maioria das pessoas usam máscaras.

    ResponderExcluir
  3. ola amigo,passei para visitar -te e deixar um beijo.

    Chicco

    ResponderExcluir
  4. Obrigado pelo comentário Viviane.
    Hoje tirei as fotos para o Jornal, foi bem tranquilo.
    E quanto a foto do perfil, troquei por achar que aquela não era a certa.
    Mas acho que agora resolvi o problema.

    ResponderExcluir
  5. como sempre as matérias desse blog são de extrema criatividade , intelig~encia e com umtoque de humor...
    Parabéns
    Lincon Mueller Leão

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Obrigado Lincon.
    Fico muito contente com seu comentário.

    ResponderExcluir
  8. Eu não havia lido ainda está postagem! Como pude deixar passar? Magníficas palavras! Muito legal divulgar postagens mais antigas! Gostei muito dessa!

    ResponderExcluir