Tradutor

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

Cadastre-se e receba em seu email as postagens

Pesquisar este blog

Seguidores

Welcome ao Pequinês Curitibano.

Histórias de uma Matilha Urbana. Participe!

Facebook

Quem sou eu

Total de visualizações de página

Top Blog

Pequinês Social Club

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Castração traz benefícios para o seu pet

Publicado em 01/10/2011 | Dâmaris Thomazini
Matéria extraida da Gazeta do Povo 

Castração traz benefícios para o seu pet

Cirurgia não traz consequências apenas para o controle populacional. Ela ajuda também a previnir cânceres e acaba com alguns maus hábitos


A castração, procedimento de retirada dos testículos dos machos e dos ovários e do útero das fêmeas, está longe de se limitar apenas a consequências no campo do controle populacional. 

A cirurgia, dizem os especialistas, evita que os pets apresentem tumores de próstata e de mama, além de ajudar a moldar o comportamento dos bichinhos em relação à agressividade e à demarcação de território – típicos durante o jogo de conquista do sexo oposto.

“Nas cadelas não castradas, a incidência de câncer de mama é de 26%. Se castradas antes do primeiro cio, a incidência cai para 0,5%”, explica o cirurgião oncologista da Clinivet Thiago Sillas. Já nas gatas, a castração antes dos seis meses de vida previne 90% dos tumores de mama.
Valterci Santos / Gazeta do Povo / Centro cirúrgico no interior do ônibus Castramóvel: incetivo à guarda responsável

Valterci Santos / Gazeta do Povo
 
 

Centro cirúrgico no interior do ônibus Castramóvel: incetivo à guarda responsável
Momento certo
Para que a prevenção ao câncer seja maior, o ideal é que a castração seja feita antes da maturação sexual dos pets:

Cães
Machos – antes dos oito meses de vida (raças de pequeno porte); antes de 12 ou 14 meses (raças de grande porte);
Fêmeas – antes dos seis meses de vida.

Gatos
Machos – antes dos oito meses de vida;
Fêmeas – antes dos seis meses de vida.
Observação: Uma cadela com filhotes recém-nascidos precisa esperar de 30 a 40 dias para ser castrada. Para gatos, o procedimento exige mais rapidez, pois, enquanto as cadelas entram no cio a cada seis meses, uma gata pode ficar prenha ainda durante o período de amamentação.
Gato que voa?
Além dos miados estridentes, gatos não castrados e que vivem em apartamentos podem sofrer a síndrome do “gato voador”: “Ao sentirem necessidade de cruzar, diante do cheiro de um animal no cio, eles podem se jogar pela janela”, revela a médica veterinária Simone Guérios.
Um cão mais sociável
Jonathan Campos / Gazeta do Povo

Diante da agressividade do maltês Tobi, sempre que avistava uma fêmea no cio, a farmacêutica Renata Ratto decidiu castrá-lo aos quatro anos de idade. “Ele fazia muito xixi nos vasos de plantas de casa, agarrava bichinhos de pelúcia e ficava muito bravo perto de fêmeas”, conta a dona. 

A cirurgia só não foi feita antes porque Renata pretendia cruzá-lo, mas o estopim para castração aconteceu quando Tobi tentou morder um amigo de Renata que tentava proteger uma cadela. Dois dias após a cirurgia, Tobi já estava animado como sempre e Renata percebeu que um cão muito mais educado voltou ao lar. “Ele está mais calmo e a demarcação diminui muito”, diz a dona satisfeita. 

A maioria destes benefícios só está garantida quando o procedimento é realizado antes da puberdade (ver quadro). “Após dois anos de idade, a castração de fêmeas não protege contra o câncer e infecções no útero, mas interrompe alguns processos do cio, como o sangramento”, explica a professora de técnica cirúrgica do curso de Medicina Veterinária da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e coordenadora da Unidade Móvel de Esterilização e Educação (Umes) ou Castramóvel, Simone Guérios.

A necessidade de reprodução pode deixar os cães mais agitados e fazer com que as gatas miem demais durante as madrugadas. “Estes comportamentos costumam incomodar os donos e, com a castração, eles deixam de ser repetidos”, diz a médica veterinária da Clínica Mania de Gato Marúcia de Andrade Cruz. Em animais já adultos, a cirurgia não interrompe as manias de demarcação e de fugas noturnas, por isso é recomendável que o procedimento seja feito antes que eles criem estes hábitos.

Projeto visa educar donos de animais

Educação, em vez de castração em massa. Esse é o principal objetivo da Unidade Móvel de Esterilização e Educação (Umes), popularmente chamada de Castramóvel. O projeto da Universidade Federal do Paraná, que conta com um centro cirúrgico dentro de um ônibus, funciona em parceria com a prefeitura de Curitiba, desde 2010. Dentro do centro cirúrgico, cães e gatos são castrados somente depois que seus donos assistem às palestras sobre guarda responsável e saúde animal.

“Após esta etapa [das palestras], os animais passam por uma checagem física, vacinação, exames de sangue e ultrassom e [só então] acontece a cirurgia”, explica a bióloga da Rede de Proteção Animal da prefeitura Sueli Kiniko Sasaoka.

Cerca de 12 animais são operados a cada ação, mas a educação é a parte mais importante do processo. “Recebemos críticas, pois muitas pessoas acham que deveríamos atender todos os cães e gatos abandonados, mas uma das condições para a castração na unidade é que o animal tenha um dono. Sem esta conscientização, não é possível diminuir o número de animais nas ruas”, analisa a coordenadora do projeto, Simone Guérios.

O serviço é prestado apenas à população de baixa renda e de forma gratuita – em clínicas veterinárias, a cirurgia custa em torno de R$250 a R$600.

Vantagem em qualquer idade

Não há limite de idade para que um animal possa ser castrado. A única diferença é que, antes da cirurgia, pets idosos precisam passar por um check-up mais detalhado, além de fazerem os exames de sangue. “O animal idoso é castrado para o tratamento de doenças hormonais que podem ser evitadas e até curadas após a cirurgia, como câncer de próstata e de testículos”, diz a coordenadora do Castramóvel, Simone Guérios.

Os veterinários tranquilizam os donos que temem pela vida de seus bichos dentro de um centro cirúrgico: o procedimento nas fêmeas é feito com apenas um pequeno corte no abdômen e nos machos é mais superficial, pois não invade a cavidade abdominal. “No primeiro dia, eles podem ficar mais abatidos, mas depois já mostram a mesma disposição. A recuperação é boa e, em sete dias, os pontos podem ser retirados”, explica o cirurgião oncologista da Clinivet Thiago Sillas.

2 comentários:

  1. Se tudo der certo daqui uns meses vou castrar a Laika, depois da vitamina que ela tomou ela melhorou muito, parou os vomitos o organismo dela esta mais forte, irei leva-la para uma avaliação do veterinario, e se der a Laika vai ser castrada.
    estou muito confiante que tudo dará certo.

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Eu demorei a entender que a castração é o melhor para nosso pet quando não desejamos cruzá-los! Até que um dia a Tamy apresentou piometra(infecção uterina), e foi necessário castrá-la rapidamente! Hoje minhas três peludinhas (Tamy, Pituxa e Tasha) são todas castradas, e sei que fiz o melhor para elas!

    ResponderExcluir