Tradutor

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

Cadastre-se e receba em seu email as postagens

Pesquisar este blog

Seguidores

Welcome ao Pequinês Curitibano.

Histórias de uma Matilha Urbana. Participe!

Facebook

Quem sou eu

Total de visualizações de página

Top Blog

Pequinês Social Club

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Meu cachorro come cocô




Acho que toda relação que envolve dono e animal sempre tem um  cocô no meio. È incrível! Quando são filhotes os cocôs estão em todos os cantos da casa. Depois lidar com o cheiro do cocô do jornal. E por fim, o passeio diário para o cocô. Talvez esta fosse a sequencia natural. Mas o Ramon me apresentou mais uma modalidade de cocô: A cropofagia.

Este nome feio tem me dado muita preocupação.

Perguntei ao todo poderoso que tudo sabe: “Santo Google”. Percebi que não é um bicho de 7 cabeças. Os motivos são variados.

Esta classificação foi feita segundo relato em literatura
a) Cães que comem fezes de animais herbívoros. Comportamento comum de ser observado em carnívoros silvestres. Fezes, como por exemplo, de cavalos, são
uma fonte de produtos de digestão microbiológica alem de fornecerem nutrientes aos cães.

b) Cães que comem fezes de gatos. Comportamento comum de causa indeterminada.
c) Cadelas recém paridas comem as fezes de seus filhotes. Ainda que seja um comportamento normal pode ser mal interpretado.
d) Cães que comem as próprias fezes.
e) Cães que comem fezes de cães adultos. A razão para esse comportamento não está bem determinada.
f) Cães que comem fezes humanas.
g) Cães mantidos em canis públicos ou abrigos particulares parecem exibir mais freqüentemente este comportamento.
h) Casos mistos.

Classificação segundo as causas
Varias são as hipóteses sugeridas como causas da coprofagia, no entanto não há respostas definitivas. Alguns autores sugerem que a razão para a não definição
das causa deste problema seja a decorrente das inúmeras possibilidades que normalmente envolvem este tipo de comportamento, sendo por tanto um problema multifatorial.

1. Deficiência metabólica ou doença
a)Cães que comem fezes de outras espécies animais podem fazê-lo por que estas podem ser nutritivas, palatáveis e, por causarem poucos problemas, ou representarem um petisco apreciado pelo cão. Comer fezes pode não ser repugnante para um cão e pode representar uma fonte de alimento.
b) Super alimentação: sobrecarregar o sistema digestivo fornecendo alimentação e especialmente a base de ração uma única vez ao dia pode sobrecarregar o
sistema digestivo e consequentemente ocorrer uma má digestão. Assim as fezes apresentaria um alto grau de produtos alimentares não digeridos. Mais tarde
sentindo fome o cão se alimentaria das próprias fezes.

c) Baixos níveis protéicos ou alimentação insuficiente (fome).
d) Dietas muito ricas em carboidratos e fibras.
e) Deficiência na produção pelo cão de enzimas digestivas.
f) Verminoses e carência nutricional.
g) Pancreatite crônica.
h) Síndrome de má absorção.
2. Razões comportamentais
a) As cadelas recém paridas consomem as fezes dos filhotes. Dessa forma mantém o ninho limpo.
b) Ansiedade devido a conflito ambiental. Stress ambiental pode contribuir com vários comportamentos incluindo a coprofagia.
c) Cães entediados que manipulam fezes como passatempo. (brincadeira ou comportamento lúdico)
d) O cão pode ser condicionado a ingerir fezes para receber atenção do proprietário. O comportamento pode ter sido reforçado pela reação emocional do proprietário "Não faça isso Totó !!!!!!!!!"e que significou ganho de atenção.
e) As fezes parecem ter um caráter lúdico e ser gratificantes, auto recompensa e serem saborosas.
f) Punições excessivas relacionada a eliminações do cão. Cães podem comer fezes para evitar que os proprietários os punam.
g) A distribuição errônea do espaço de dormir, alimentar, defecar e urinar. Cães que não dispõem de espaço suficiente e são forçados a defecar em seu espaço de
dormir acabam por ingerir suas fezes para manter o espaço limpo.

h) Ansiedade de separação. Cães deixados em casa sem companhia por um longo período de tempo acabam por exibir este comportamento.
i) Vício por razões comportamentais. Cães confinados ou presos são mais aptos a desenvolverem coprofagia do que aqueles que estão em companhia humana na
maior parte do tempo. Parece que animais que saem a passeio, recebem maior atenção do dono, são menos isolados e ganham brinquedos podem ter este comportamento diminuído, aliviado.

j) Cães selvagens ao se alimentarem da caça iniciam sua alimentação pela ingestão de órgãos abdominais, incluindo ai o intestino e seu conteúdo. Daí as fezes não serem repugnantes para os cães.
k) Hereditárias, manifesta-se aproximadamente aos 6-8 meses. Em tais casos o comportamento é considerado normal, onde buscar nutrientes no lixo representou
uma adaptação no processo d evolução e domesticação do cão.

Tratamentos propostos
Cães jovens podem comer fezes com o propósito de estabelecer uma flora bacteriana intestinal apropriada, no entanto, comer as fezes representa um comportamento não adequado uma vez que as fezes podem ser fontes de infestação de vermes, bactérias e vírus. Por outro lado este comportamento é rejeitado por nós e portanto deve ser tratado, ou modificado.
O Tratamento dos casos de coprofagia descritos em literatura não são uniformes. Uma vez que as causas são multifatorias e não sejam bem definidas também tornam a escolha do tratamento muito difícil e as vezes controvertido..

Bibliografia: "Coprofagia em cães: um estudo etológico de caso" - Anais do XV encontro anual de Etologia, nov. 1997, v. 15, p. 391 UFSCar, São Carlos (SP) - Organização SBEt. - Dr. Mauro Lantazman - especialista em coprofagia

Apesar de ler muita coisa na net consultei a veterinária que mencionou a existência de remédios para este problema. Mas nem sempre produzem um resultado satisfatório.  Vou tentar a base do dialogo e dar-lhe mais atenção.



2 comentários:

  1. Depois que começei a brincar mais com o Ramon ele parou de comer cocô. Pelo menos eu acho!!!

    ResponderExcluir
  2. Ramon agora com quase três anos por vezes ainda come cocô, mas as vezes são raras.

    ResponderExcluir