Tradutor

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

Cadastre-se e receba em seu email as postagens

Pesquisar este blog

Seguidores

Welcome ao Pequinês Curitibano.

Histórias de uma Matilha Urbana. Participe!

Facebook

Quem sou eu

Total de visualizações de página

Top Blog

Pequinês Social Club

sábado, 18 de junho de 2011

A Missionária Nórdica.


Como de costume passei algumas horas da manhã  de sábado na minha Babilônia.

O fato do dia foi um grupo de pessoas muito bem arrumadas, de longe pareciam turistas europeus.

 

Dentre eles  destacava-se uma senhora que veio até mim.


A nórdica brasileira começou a contar que tinha um cachorro pequeno, do tamanho do meu pequinês. Para sua surpresa, de uma hora para outra,  a atacou!
 Pensei:
“Tadinha. Uma senhora tão elegante e bondosa ser atacada por seu cachorro.

Falei:
 -Que triste. O que a senhora fez para corrigi-lo?

A nórdica respondeu:
-Mandei matar!!



Voltei a pensar:
“ #+!"(@@.=+%#*”... 


Não consegui concluir os meus pensamentos chocados e confusos, pois ela me interrompeu.

- Estamos na Rui Barbosa para divulgar a palavra de Cristo.


A de São Francisco de Assis que não deveria de ser.



È louca!




Fui me afastando educadamente até que ela me prendeu pelo braço e me entregou um folder.

 - Obrigado senhora. Mas eu sou católico.

A senhora nórdica, assassina de cachorro, de uma religião exótica me ignorou completamente e começou a ler o panfleto e já estava sacando a bíblia.

Ainda preso pelo braço e assustado com a situação falei:


- Me desculpe senhora. Estou em um dos raros momentos semanais de tempo livre, aproveito para  passear com meus cachorros. E a senhora fique tranquila com a minha pobre alma,  pois a tarde tenho  um grupo de oração.


E fui saindo...

Ela não se conteve e solta a perola, a ultima tentativa para garantir a minha atenção.

- Mas então, mudando de assunto, é melhor ter um Cachorro Amigo a um Amigo Cachorro!




Eu perdi a paciência e falei:



- Minha senhora. Na religião católica acredita-se  no amor entre as pessoas...




Neste momento o seu olhar não era mais de ternura outra expressão subterrânea apareceu.


Fui saindo, com medo, confesso, mais rapidinho.

Sei lá...Lembra que ela matou o cachorro?

2 comentários:

  1. Quero deixar claro que respeito todas as religiões. Mas meu direito de ir e vir é personalíssimo e intransferível

    ResponderExcluir
  2. Adorei!!!!hahahahahhahahaha

    ResponderExcluir